• Atendimento : (11) 3230-0074
    • Instagram Vitaminas Brasil
Vitaminas Brasil Quem Somos
Vitaminas Brasil Pagemento e Entrega
Vitaminas Brasil Formas de Pagamento

especialista em suplementos de bem-estar e nutrição esportiva

  • Ômega-3 e Ômega-6

    Ômega-3 e Ômega-6

    Ômega-3 e ômega-6 são tipos de ácidos graxos essenciais - o que significa que não podemos produzi-los, então é necessário ingerir através de alimentos ou suplementação. Ambos são ácidos gordurosos poli-insaturados que diferem uns dos outros em sua estrutura química. Nas dietas modernas, há poucas fontes de ácidos graxos ômega-3, principalmente a gordura de peixes de água fria, como salmão, sardinha, arenque, cavala, bacalhau preto e peixe azul. Existem dois ácidos graxos ômega-3 críticos (ácido eicosapentaenóico, chamado EPA e docosahexaenóico ou DHA), que o corpo precisa. As fontes vegetarianas, como nozes e sementes de linhaça, contêm um precursor do ômega-3 (ácido alfa-linolênico chamado ALA) que o corpo deve converter para EPA e DHA. EPA e DHA são os blocos de construção de hormônios que controlam a função imunológica, coagulação do sangue e crescimento celular, bem como componentes das membranas celulares.

    Em contraste, os alimentos ômega-6 que contêm esses ácidos graxos são numerosos nas dietas modernas. Eles são encontrados em sementes e nozes, e os óleos deles extraídos. Os óleos vegetais refinados, como o óleo de soja, são usados ​​na maioria das produções de alimentos e refeições.

    Em geral, os hormônios derivados das duas classes de ácidos graxos essenciais têm efeitos opostos. Aqueles de ácidos graxos ômega-6 tendem a aumentar a inflamação (um componente importante da resposta imune), coagulação sanguínea e proliferação celular, enquanto que aqueles de ácidos graxos ômega-3 diminuem essas funções. Ambas as famílias de hormônios devem estar em equilíbrio para manter a saúde ideal, então há alguns benefícios para omega-6.

    Muitos especialistas em nutrição acreditam que, antes de depender tanto dos alimentos processados, os seres humanos consumiram ácidos graxos ômega-3 e ômega-6 em quantidades aproximadamente iguais. Porém com a modernidade e os alimentos processados, faz necessário a suplementação para uma dieta saudável.

    Este desequilíbrio dietético pode explicar o surgimento de doenças como a asma, doença cardíaca coronária, muitas formas de câncer, auto-imunidade e doenças neurodegenerativas, todas as quais acreditam provocar inflamação no organismo. O desequilíbrio entre ácidos graxos ômega-3 e ômega-6 também pode contribuir para obesidade, depressão, dislexia, hiperatividade e até mesmo uma tendência à violência. Trazer as gorduras em proporção adequada pode realmente aliviar essas condições, de acordo com Joseph Hibbeln, M.D., um psiquiatra dos Institutos Nacionais de Saúde Americana e, talvez, a principal autoridade do mundo sobre a relação entre consumo de gordura e saúde mental. Na Conferência de Saúde e Nutrição de 2006, patrocinada pela Faculdade de Medicina da Universidade do Arizona e Colégio de Médicos e Cirurgiões da Universidade de Columbia, o Dr. Hibbeln citou um estudo que mostra que a violência em uma prisão britânica caiu 37 por cento após o óleos e vitaminas omega-3 forem adicionado às dietas dos prisioneiros.

    Se você seguir uma dieta anti-inflamatória, você deve obter uma proporção saudável desses ácidos graxos. Em geral, no entanto, você pode reduzir os níveis de ômega-6, reduzindo o consumo de alimentos processados ​​e rápidos e óleos vegetais poli-insaturados (milho, girassol, cártamo, soja e semente de algodão, por exemplo). Na sua casa, use azeite extra virgem para cozinhar e em molhos de salada. Coma mais peixes oleosos ou tome suplementos de óleo de peixe, nozes, sementes de linho (linhaça). Seu corpo e mente vão te agradecer.

  • Alimentos que são anti-inflamatórios naturais

    Alimentos que são anti-inflamatórios naturais

    Mais e mais evidências estão se acumulando, o que sugere que a inflamação crônica é a principal causa de muitas doenças graves no mundo atual, incluindo doenças cardíacas, doença de Alzheimer e muitos tipos de câncer. Pesquisas também deixam claras que certos alimentos podem acelerar a resposta inflamatória do corpo, enquanto outros podem diminuí-lo.

    Mas há mais para comer do que apenas maximizar as vantagens da saúde. Os melhores alimentos são aqueles que oferecem benefícios preventivos de doenças, como efeitos anti-inflamatórios e sabor delicioso. Quando se ingere esses alimentos, o corpo todo responde com sensação agradável pois contribui para o bem-estar geral.

    Muitos alimentos promovem a ação anti-inflamatória. Alguns não são apenas potentes a este respeito, mas também são absolutamente maravilhosos, especialmente quando colhidos no pico de qualidade e preparados com foco e habilidade. Aqui são quatro que cumprem esses critérios admiravelmente:

    Bagas (morango, mirtilo, amora, framboesa): além do sabor irresistível, todos têm efeitos antiinflamatórios - na verdade, eles são os alimentos mais saudáveis ​​que se podem comer. Um estudo na Ohio State University descobriu que as framboesas pretas reduzem a incidência de certos tipos de câncer em animais em 50%.

    Peixe-carvão-do-pacífico: Também conhecido como peixinho ou peixe-bacalhau, o bacalhau preto tem ainda mais ácidos graxos ômega-3 do que o salmão. Como sugere um dos seus nomes, ele também tem um gosto amanteigado que o torna simplesmente exótico seu sabor.

    Repolho chinês (pak-choi): vegetais cruciferantes têm potentes efeitos anti-inflamatórios e anticancerígenos, e o repolho chinês tem uma maior concentração de betacaroteno e vitamina A do que qualquer outra variedade de repolho.

    Gengibre: não é apenas um potente anti-inflamatório, esta raiz picante também é uma carminativa extraordinária (o que significa uma substância que ajuda a reduzir a formação de gás intestinal) e agente anti-náusea. Utilize o gengibre em temperos e sucos para obter os benefícios deste alimento.

  • O que é o betacaroteno?

    O que é o betacaroteno?

    O betacaroteno é um carotenoide. Os carotenóides são pigmentos que ocorrem naturalmente nas plantas e são em grande parte responsáveis ​​pelas cores vibrantes de algumas frutas e vegetais. O betacaroteno, por exemplo, é responsável por dar às cenouras sua cor laranja. Uma vez ingerido, o beta-caroteno é convertido em vitamina A (retinol), que o corpo pode usar de várias maneiras, ou atua como um antioxidante para ajudar a proteger as células dos efeitos nocivos dos radicais livres. Até 50 por cento da vitamina A em uma dieta típica é fornecida por beta-caroteno e outros carotenóides.

    Um pequeno número de carotenos, incluindo beta-caroteno, muitas vezes são chamados de "provitamina A" porque são um precursor da produção de vitamina A no organismo. Os carotenos de licopeno, luteína e zeaxantina não podem ser convertidos em vitamina A, embora ofereçam outros benefícios para a saúde.

    Por que é necessário?

    O betacaroteno é considerado um antioxidante e também é um precursor da vitamina A. Este composto ajuda a manter a pele saudável e também desempenha um papel vital na saúde dos olhos. Indivíduos que consomem os níveis necessários de betacaroteno podem reduzir o risco de doença arterial coronariana, acidente vascular cerebral, degeneração macular e outras doenças relacionadas à idade.

    Quais são os sinais de uma deficiência?

    A deficiência de vitamina A é, por sorte, rara em países industrializados, mas é muito comum nos países em desenvolvimento, onde é a principal causa de cegueira evitável em crianças de acordo com a Organização Mundial da Saúde. Os indicadores incluem cegueira noturna, perda de cabelo, irritação da pele e olhos secos ou inflamados. O diagnóstico geralmente é considerado na aparência de indicadores clínicos, e testes de sangue para deficiência de vitamina A podem ser realizados.

    Como você recebe o suficiente de betacaroteno em alimentos?

    A principal fonte dietética de betacaroteno é frutas e vegetais, como cenouras, inhame, espinafre e couve. Na verdade, um copo de cenoura crua contém 9,135 mg de betacaroteno. Uma vez que o betacaroteno é apenas um dos muitos carotenóides benéficos, é importante comer uma grande variedade de produtos frescos para obter um espectro completo desses nutrientes importantes em sua dieta.

    Há algum risco associado com dose elevada no organismo?

    O efeito colateral mais frequentemente relatado em consumir grandes quantidades de betacaroteno, mais comumente de cenouras, e mais frequentemente visto em lactentes, é um amarelecimento da pele chamado carotenemia. Embora inofensivo, é importante distingui-lo da icterícia, um amarelecimento da pele que pode indicar um grave problema de saúde.

  • Tudo sobra a Vitamina C

    Tudo sobra a Vitamina C

    O que é vitamina C?

    A vitamina C (também conhecida como ácido ascórbico) é abundante encontrada em vegetais e frutas. Uma vitamina solúvel em água e poderoso antioxidante, ajuda o corpo a formar e manter o tecido conjuntivo, incluindo ossos, vasos sanguíneos e pele.

    O que faz a vitamina C? Quais são alguns benefícios de vitamina C?

    A vitamina C ajuda a reparar e regenerar os tecidos, a proteger contra doenças cardíacas, auxiliar na absorção de ferro, prevenir o escorbuto e diminuir o colesterol total e LDL ("ruim") e triglicerídeos. As pesquisas indicam que a vitamina C pode ajudar a proteger o organismo contra uma variedade de cânceres combatendo os radicais livres e ajudando a neutralizar os efeitos dos nitritos (conservantes encontrados em alguns alimentos embalados que podem aumentar o risco de certas formas de câncer). A vitamina C suplementar também pode diminuir a duração e os sintomas de um resfriado comum, ajudar a atrasar ou prevenir cataratas e apoiar a função imune saudável.

    Quais são os sinais de uma deficiência de vitamina C?

    Os sintomas de deficiência incluem fadiga, fraqueza muscular, dores articulares e musculares, sangramento de gengivas e erupções nas pernas. A deficiência prolongada pode causar escorbuto, uma doença rara, mas potencialmente grave.Como você obtém vitamina C suficiente através da ingestão de alimentos?A vitamina C é fácil de obter através de alimentos, porque muitas frutas e vegetais contêm vitamina C. As boas fontes incluem: maçãs, espargos, bagas, brócolis, repolho, melão (melão, amendoim, melancia), couve-flor, frutas cítricas (limões, limas, Laranjas), kiwi, alimentos fortificados (pães, grãos, cereais), verduras de folhas escuras (couve, espinafre), pimentas (especialmente pimentões vermelhos, que têm entre os mais altos por conteúdo de vitamina C), batatas e tomates.

    Existem riscos associados a super dosagem de vitamina C?

    Quando obtido de fontes alimentares e suplementos nas dosagens recomendadas, a vitamina C é geralmente considerada segura. Os efeitos secundários raramente são relatados, mas incluem diarreia, náuseas, cólicas abdominais e outros sintomas gastrointestinais. Para a maioria dos indivíduos saudáveis, o corpo só pode segurar e usar cerca de 200-250 mg de vitamina C por dia, e qualquer excesso é perdido através da urina. Em momentos de doença, durante a recuperação de lesões, ou em condições de aumento do estresse oxidativo (incluindo fumar), o corpo pode usar quantidades maiores da vitamina. As altas doses de vitamina C (maior que 2.000 mg / dia) podem contribuir para a formação de cálculos renais, além de causar diarreia grave, náuseas e gastrite.

    Existem outras considerações especiais?

    Podem ocorrer afecções adversas entre a vitamina C e fármacos anticoagulantes, como a varfarina (Coumadin), diminuindo a sua ação. Os produtos de nicotina, contraceptivos orais / estrogênios, tetraciclinas, barbitúricos e aspirina podem diminuir os níveis de vitamina C.

    A vitamina C pode aumentar a absorção de ferro e luteína. Embora algumas evidências sugerem que grandes doses de vitamina C suplementar podem interferir na absorção e metabolismo da vitamina B12 encontrados em alimentos, outros estudos não mostraram tais efeitos.

  • Chlorella – sua melhor fonte de saúde!

    Chlorella – sua melhor fonte de saúde!

    A Chlorella é uma alga verde, de água doce que vem sendo considerada ótima fonte nutritiva para nós. Ela contém inúmeras vitaminas e minerais que auxiliam na saúde e até na perda de peso.

    Vamos destacar alguns principais benefícios dessa alga:

    - Diariamente somos expostos a uma série de metais pesados como chumbo, mercúrio, alumínio, entre outros que afetam nosso sistema nervoso central podendo prejudicar muito nossa saúde com o passar do tempo. A chlorella é considerada um poderoso desintoxicante das células do corpo, pois ajuda a eliminar esses metais.

    - A Chlorella é fonte de ferro, ajudando a prevenir a anemia.

    - Para o emagrecimento, a alga é muito importante pois atua no metabolismo da gordura, fazendo o corpo queimar gordura mais rapidamente. Além de ajudar no controle do apetite, melhorar a sensibilidade à insulina e reduzir a reabsorção de colesterol no intestino.

    - A Chlorella produz glutationa, que é utilizada para processos de intoxicação por álcool, drogas, nicotina, poluição, determinados alimentos.

    - Ajuda no sistema imunológico, pois aumenta a capacidade dos glóbulos brancos na defesa do organismo.

    - Atua no combate ao câncer, pois os carotenoides da alga evitam a oxidação das células.

    - Pode controlar a pressão e atua na diminuição do colesterol LDL (ruim) no organismo.

    - Possui alto teor de clorofila.

    Utilize a Chlorella antes das principais refeições caso seu objetivo seja o emagrecimento. O uso gradualmente minimiza problemas digestivos.

    Por ser muito nutritiva, a Chlorella bate recordes de estudo pelo mundo, sendo considerada segura o seu uso. Inclua agora mesmo a Chlorella no seu dia-a-dia.

1-5 de 95

(*) Desconto válido para uma unidade de cada produto. Desconto não é válido para combos.